Quanto ganha um juiz nos Estados Unidos?

No Brasil, juízes têm altos vencimentos e inúmeros benefícios. Nos EUA, a situação é um pouco diferente: confira os salários e adicionais pagos à categoria no país.

O exercício da magistratura é prestigiado em todo o mundo e, claro, a situação não é diferente nos Estados Unidos. Entretanto, ser juiz no país mais rico do mundo é um pouco diferente da realidade dessa profissão no Brasil.

Se por aqui, é de comum conhecimento que servidores do judiciário, sobretudo os juízes, têm excelentes remunerações e diversos benefícios, garantindo, então, remunerações acima da média e certo status na sociedade, lá a situação é completamente diferente, já que, não há tantos adicionais aos ganhos básicos.

Ainda assim, nos EUA o cargo possui o mesmo prestígio. Os vencimentos, embora sejam variáveis, também são considerados altos.

É justamente essa posição privilegiada que levanta muitas dúvidas em relação às condições de trabalho da categoria no país norte-americano, sendo que uma das principais é quanto ganha um juiz nos Estados Unidos.

Benefícios de um juiz nos Estados Unidos

Os grandes benefícios para os juízes americanos são seguro de vida, plano de saúde, aposentadoria integral e, em alguns estados, refeitórios. Contudo, os dois primeiros são pagos pelos profissionais, descontados diretamente de seus salários.

Exceto os itens citados, os membros do judiciário estadunidense não recebem nenhum tipo de compensação financeira, moradia, abono ou auxílio.

Sobre os benefícios, um juiz federal americano afirmou ao Globo que a situação é totalmente diferente do Brasil. De acordo com o magistrado, somente os nove juízes da Suprema Corte têm direito a carro. Porém, apenas o presidente conta com serviços de um motorista.

Na justiça federal, a aposentadoria integral, citada anteriormente, depende da idade do juiz e dos anos de atuação na magistratura. No âmbito estadual as regras são mais maleáveis, mas ainda assim são rígidas.

As demais atividades com ganhos financeiros ficam bastante restritas. Além da magistratura, os juízes estadunidenses podem escrever livros, lucrando, então, com os direitos autorais e dar aulas em universidades, mas, os ganhos provenientes da Educação não podem ultrapassar 15% do salário de juiz.

Quanto ganha um juiz nos EUA?

Respondendo às dúvidas de quanto ganha um juiz nos Estados Unidos, é preciso salientar, antes de tudo, que os salários da categoria são calculados por ano, e revistos periodicamente.

As faixas salariais de magistrados americanos registram variações de acordo com a jurisdição, a instância e, sobretudo, o estado em que exercem as atividades trabalhistas.

De acordo com o site do Escritório Administrativo das Cortes dos Estados Unidos, os salários anuais pagos aos juízes federais nos Estados Unidos são os seguintes:

  • District Judges (Tribunal de Distrito dos Estados Unidos): $210.900;
  • Circuit Judges (Corte de Apelações dos Estados Unidos): $223.700;
  • Associate Justices (Juiz Associado da Suprema Corte dos Estados Unidos): $258.900;
  • Chief Justice (Chefe de Justiça dos Estados Unidos): $270.700.

A nível estadual e municipal, o salário dos juízes são mais reduzidos. Segundo o U.S Bureau of Labor Statistics (Secretaria de Estatísticas Trabalhistas dos Estados Unidos), para juízes da esfera estadual o salário médio é de $151,750 anuais. Já para a esfera municipal, a remuneração é ainda menor, sendo, em média, de $92.270 anuais.

A título de comparação, o salário médio de um trabalhador nos EUA é de $53.490 anuais. Deste modo, um magistrado de distrito ganha salários equivalente a quase 4 vezes esse valor. Já no Brasil, onde o salário médio da população é de R$ 2.261 mensais, a remuneração de um Juiz Federal Substituto (R$ 32.004 por mês) equivale a cerca de 14 vezes o salário médio percebido pela população. Esses dados evidenciam, que, apesar de os juízes dos EUA ganharem bons salários, a discrepância dos ganhos desses profissionais no Brasil em relação à população em geral é significativamente maior!

Você pode gostar também

Deixe um comentário

Seu endereço de email não será publicado.

Especial: Viagem com segurança durante a pandemia