Cidades históricas de Alagoas – quatro motivos para embarcar em uma viagem no tempo

O estado tem cidades históricas que permitem conhecer suas raízes culturais e tradições.

- Tempo de leitura: 6 minutos -

Cidades históricas sem dúvida têm um charme a mais. Ruas estreitas, casarões coloniais, museus e construções que contam, em cada tijolinho, as raízes daquele lugar. No Nordeste, é impossível não se perder em tantas delas, não só no litoral, como também no interior. As cidades históricas de Alagoas não fogem à regra e dão, no mínimo, quatro motivos para embarcar em uma deliciosa viagem no tempo. 

A história de uma cidade, assim como suas tradições e cultura, são o melhor meio para conhecê-la a fundo. Em Alagoas, isso se dá de maneira particularmente intensa porque o estado tem lugar cativo no contexto histórico brasileiro. 

Muito mais que as praias paradisíacas, a região foi território de lutas e resistência. Por isso, suas quatro cidades históricas têm muito a contar!

Marechal Deodoro, por exemplo, foi a primeira capital alagoana, além de berço do proclamador da República. União dos Palmares é símbolo da liberdade, pois foi onde se levantou o maior quilombo do Brasil. Lampião e seu grupo sofreu a simbólica emboscada em Piranhas enquanto Penedo consta entre as cidades mais antigas do país. Conheça, a seguir, as quatro cidades históricas de Alagoas e encante-se! 

Quatro cidades históricas de Alagoas

1 Penedo e seus 460 anos de história

Penedo e seus 460 anos de história
Penedo (AL)

Em 1560, Duarte Coelho e sua expedição navegou pelo Velho Chico e chegou à região que, hoje, conhecemos como Penedo. Uma das cidades mais antigas do Brasil nasceu como um povoado posteriormente elevado à Vila de São Francisco. 

Como se o simbolismo do Rio São Francisco já não fosse suficiente, Penedo ainda nos presenteia com um admirável Centro Histórico com igrejas, sobrados e capelas. 

Cidades históricas de Alagoas: Centro Histórico de Penedo
Centro Histórico de Penedo (Nathanael De Melo Araujo, CC BY-SA 4.0 <https://creativecommons.org/licenses/by-sa/4.0>, via Wikimedia Commons)

As construções reúnem 13 igrejas, dez capelas e sobrados sem fim, entre eles, a Fundação Casa do Penedo. Com o fim de preservar a memória da região, a instituição conserva, em seu acervo, mobiliário, estátuas e uma série de objetos que contam os quase cinco séculos de história. 

Também temos o Teatro Sete de Setembro e o Memorial Raymundo Marinho, ambos erguidos junto com o município. 

De fato, Penedo é um verdadeiro museu a céu aberto, guardando preciosas relíquias na arquitetura barroca herdada dos colonizadores portugueses,  holandeses e  missionários franciscanos. 

Seu acervo também destaca a Catedral de Nossa Senhora do Rosário, Igreja de Nossa Senhora das Correntes, Paço Imperial, Igreja  de  São Gonçalo  Garcia dos  Homens Pardos e a Igreja de  Nossa  Senhora  dos Homens Pretos.

2 União do Palmares e o grito por liberdade

União do Palmares e o grito por liberdade
União dos Palmares (AL)

Mais de 30 mil negros, entre eles, Zumbi dos Palmares, lutaram por liberdade e igualdade social na tragédia histórica da escravidão. União dos Palmares, não à toa conhecida como Terra da Liberdade, é a cidade onde foi construído o Quilombo dos Palmares, na Serra da Barriga. O maior e mais expressivo quilombo do país era liderado por Zumbi e sua esposa, Dandara, que lutaram pela liberdade até a morte. 

A importância histórica da Serra da Barriga a fizeram ser tombada pelo IPHAN em 1986.

União dos Palmares também abriga o Parque Nacional de Zumbi e o Memorial Quilombo dos Palmares. Ambos construídos em arquitetura africana, retratam a história do solo que, inegavelmente, é considerado sagrado. 

Cidades históricas de Alagoas: Parque Memorial Quilombo dos Palmares
Parque Memorial Quilombo dos Palmares

Cerca de 50 famílias que moram na comunidade de Muquém, próximo à União, ainda representam toda a essência da cultura afro-brasileira.

3 Piranhas e o fim de Lampião

Piranhas e o fim de Lampião
Piranhas (AL) (Maria Hsu, CC BY 2.0 <https://creativecommons.org/licenses/by/2.0>, via Wikimedia Commons)

A cidade de Piranhas é daquelas que pedem tempo e ouvidos para tantas histórias! Mas, um episódio específico, com certeza, abrilhanta todos os causos contados ali: a emboscada que deu fim à era de Lampião e Maria Bonita

De fato, foi da cidade que o Tenente João Bezerra e seus soldados partiram rumo à Grota do Angico para caçar o homem mais procurado pela polícia nordestina na década de 30. 

Virgulino Ferreira, Maria Bonita e mais nove cangaceiros tiveram suas cabeças expostas em praça pública de Piranhas, colocando a cidade na história. Aliás, uma memória muito bem preservada, assim como o patrimônio composto por um dos conjuntos arquitetônicos mais bem mantidos do Brasil. Consequentemente, a cidade recebeu o merecido título de Patrimônio Histórico Nacional pelo Iphan, em 2003.   

Dentre os imensos e belos casarios, está o Museu do Sertão, na antiga Estação Ferroviária, onde parte da história do cangaço e do próprio município é contada. 

É provável que, depois de tanto passear pelas ruas e casarios, o corpo peça por descanso. Pois, Piranhas sedia a Usina Hidrelétrica de Xingó, a segunda do Brasil, construída nos anos 80. Lá, um imenso lago foi formado com as águas represadas, dando espaço a passeios entre os cânions. 

Cidades históricas de Alagoas: Usina Hidrelétrica de Xingó, em Piranhas (AL)
Usina Hidrelétrica de Xingó

Não dá para falar em Alagoas sem mencionar a importante tradição do artesanato, sobretudo rendas e bordados. Portanto, é indispensável visitar o Centro de Artesanato de Piranhas e dar uma esticada até Entremontes, povoado que faz parte do município. O local é nacionalmente conhecido pelos produtos artesanais, visto que as mulheres fazem belas peças ricas em formas e pontos.    

4 Marechal Deodoro e sua rica arquitetura

Marechal Deodoro e sua rica arquitetura
Museu de Arte Sacra, em Marechal Deodoro (AL)

Finalmente, chegamos à Marechal Deodoro, terra do proclamador da República e a primeira capital do estado. Com o propósito de homenagear o filho ilustre, a cidade inclusive mudou seu nome original de Alagoas da Lagoa do Sul para o que conhecemos atualmente. A rica arquitetura é um verdadeiro livro de história vivo, através dos museus, igrejas e demais construções históricas. 

O belo acervo arquitetônico foi concebido pelos colonizadores portugueses, holandeses, bem como os missionários franciscanos. Muitas construções merecem destaque, principalmente o Museu de Arte Sacra, Igreja de Santa Maria Madalena, Complexo do Carmo, Casa  de  Marechal Deodoro, Igreja Nosso Senhor do Rosário, Palácio Provincial (onde funciona a Prefeitura) e a Igreja de Nossa Senhora da Conceição. 

Ademais, Marechal Deodoro conserva suas tradições folclóricas, como pastoril e baianas, orquestras filarmônicas, além das bandas de pífanos. A música local é muito bem representada por Nelson da Rabeca. 

Se precisar de uma pausa nas andanças entre tanta história e cultura, um nome pode ser um alento: a paradisíaca Praia do Francês. Aliás, o município é banhado pelo maior complexo lagunar do Brasil. 

Cidades históricas de Alagoas: Praia do Francês, em Marechal Deodoro (AL)
Praia do Francês

Ademais, é na região de Marechal Deodoro, também, onde fica a Ilha de Santa Rita, a maior ilha lacustre do país. Pensa que acabou? O município ainda é referência gastronômica, festas religiosas e artesanato. Para exemplificar, temos o povoado de Massagüeira, considerado um dos maiores centros gastronômicos do Nordeste.

Viajar por Alagoas vai além de visitar as praias paradisíacas de seu litoral. É principalmente se aprofundar nas raízes e tradições, conhecendo a construção de seu povo. Assim, nada melhor que um passeio pelas cidades históricas de Alagoas, empreendendo uma viagem no tempo por séculos de história.  

Você pode gostar também
Deixe um comentário

Seu endereço de email não será publicado.