12 coloridos folguedos de Alagoas para você se encantar

Manifestações culturais populares que são transmitidas de geração em geração, os folguedos encantam alagoanos e turistas.

- Tempo de leitura: 5 minutos -

Os Folguedos de Alagoas são, definitivamente, o ponto alto da cultura alagoana. Tanto que o estado tem a maior diversificação em folguedos de todo o país. Caracterizados pelas danças, letras, temática e ritmos, os folguedos simbolizam a mais pura tradição transmitida de geração em geração. A lista é interminável, mas podemos ter uma dimensão dessa manifestação através de 12 dos mais importantes folguedos de Alagoas.

Os folguedos de Alagoas têm origem folclórica e religiosa, carregando traços do catolicismo e marcas dos cultos africanos. Os folguedos acontecem durante todo ano, em diversas regiões do estado, reunindo mestres, tocadores, ensaiadores e brincantes para os ensaios das Baianas, Cavalhada, Chegança, Fandango, Guerreiro, Maracatu, Marujada, Pastoril, Quilombo, Reisado e Taieiras.

São cerca de 29 manifestações culturais que encantam turistas e moradores! Para dar uma simples demonstração da grandeza da tradição, trouxemos uma lista com 12 coloridos folguedos de Alagoas para você se encantar.

12 folguedos de Alagoas

1 Guerreiro

O Guerreiro é um folguedo genuinamente alagoano surgido entre 1927 e 1929, como resultado da fusão de Reisados alagoanos, do desaparecido “Auto do Caboclinhos”, da Chegança e dos Pastoris. Uma das manifestações mais lindas e tradicionais da cultura popular alagoana, conta com cerca de 36 personagens, como Rei, Rainha, Índio Peri, Sereia, Mestre, Contramestre e outros, cada um é identificado pelos chapéus em forma de igrejas, palácios e catedrais.

Marcado pela presença de “dançadores” e cantores, o guerreiro alagoano é multicolorido, com vestes enfeitadas com espelhos, fitas, contas de aljôfar, enfeites de árvore de natal, diademas, coroas, guarda-peitos.

2 Bumba Meu Boi

O Bumba Meu Boi é o folguedo que veio para não deixar ninguém parado! Manifestação cultural bastante popular em Maceió, conta a história da morte e ressurreição de um boi. Segundo a lenda, Pai Francisco, escravo de uma fazenda, mata o boi mais bonito para satisfazer os desejos de Catirina, sua esposa grávida, também escrava. Porém, o dono da fazenda descobre a morte do animal e reúne curandeiros para ressuscitá-lo. O boi volta à vida e todos celebram com uma grande festa! Assim, as apresentações do folguedo exibem a desenvoltura do personagem principal, sempre com muita música e dança.

3 Pastoril

Um dos folguedos mais conhecidos no Nordeste, o Pastoril materializa, de forma muito direta, o nascimento de Cristo. De origem rural, o folguedo traz a representação da luta do bem contra o mal. A rivalidade entre o azul e o encarnado é simbolizado pelas “pastoras” divididas entre os cordões de cada cor. Eles disputam o gosto do público até a chegada de Diana, personagem que representa a harmonia e vai ao meio trazendo as duas cores em suas vestes. Outros personagens, como Mestra, Contra Mestra, Camponesa, Belo Anjo, Pastor e a Borboleta complementam a encenação rica em cores e alegria!

4 Coco de Roda

O Coco de Roda é um dos pilares da cultura alagoana e um dos mais antigos folguedos do estado. Bastante comum nos festejos juninos, ainda que não seja restrita a esta época do ano, pode ter nascido nas fronteiras de Alagoas e Pernambuco. De raízes africanas, tem como elemento principal a pisada forte com os pés, percussão importante para dar à dança coreografada. Também denominada de pagode ou samba, tem dançarinos sempre vestidos em trajes coloridos.

5 Fandango

O Fandango é um folguedo de temática marítima formado por 36 componentes de várias idades. Romance, dança, música, anedotas, ditos, lendas e orações compõem o fandango que traz cantigas náuticas que retratam as aventuras dos navegadores. Tanto que os dançarinos usam trajes que  remetem aos marinheiros. As odisséias incluem sofrimentos de uma nau perdida, o sofrer da tripulação pela calmaria,  lutas e o heroísmo dos marujos, fome, desespero e a solidão do mar.

6 Baianas

O folguedo das Baianas surgiu no sul de Pernambuco com a denominação de Samba de Matuto ou Baianal. Uma modificação rural dos Maracatus pernambucanos, não traz a corte real, nem a boneca, mas mescla elementos dos pastoris e dos cocos com canções religiosas negras. Nele, as dançadoras trajadas de baianas, dançam e fazem evoluções ao som de instrumentos de percussão.

7 Cavalhada

A Cavalhada tem origem nos torneios medievais como forma de entretenimento dos cavaleiros cansados das lutas e das guerras. O desfile é composto pela corrida de cavalos e pelo jogo das argolinhas. Esse é realizado em praças ou parques, próximo a alguma igreja. Os doze cavaleiros ou pares são divididos em cordões, de novo o azul e encarnado, e focam na tentativa de retirar as argolinhas suspensas pela garra.

8 Chegança

A Chegança é outro auto de temática marítima derivado das mouriscadas peninsulares, lutas e danças entre cristãos e mouros da Europa. Suas canções versam sobre temas vinculados à vida no mar, como  brigas entre marujos, tempestades, calmarias, contrabando e, ainda, lutas e danças entre cristãos e mouros europeus.

9 Maracatu

Maracatu é um termo africano que significa dança ou batuque. O folguedo já foi chamado de “Candomblé de Rua”, pois um grupo de adeptos das religiões afro-brasileiras saem às ruas para fazer saudação aos orixás. A dança processional e cortejo real é parte dos Reinados dos Gongos e entrou com tanta intensidade em Alagoas que criou formas alagoanas dessa manifestação, assim como as Cambindas, o Samba-de-Matuto, as Negras da Costa, Baianas e as Caboclinhas.

10 Marujada

A Marujada possui origem lusitana, trazendo elementos de folguedos náuticos, Reisados, Taieiras e Pastoris. É um folguedo eclético e variante do Fandango.

11 Reisado

Também conhecido pelo Brasil por Folia de Reis, Boi de Reis ou, simplesmente Reis, o Reisado é um auto popular profano-religioso formado por grupos de músicos, cantores e dançadores que, entre 24 de dezembro e 6 de janeiro, vão de porta em porta para anunciar a Chegada do Messias, homenagear os Três Reis Magos e fazer louvações aos donos das casas onde dançam. O folguedo é composto por números de canto, danças e declamações de obras poéticas decoradas ou de improviso.

12 Taieiras

Dança-cortejo de caráter religioso afro-brasileiro, a taieiras faz louvação a São Benedito e a Nossa Senhora do Rosário, a padroeira dos pretos. Tem matriz africana e foi estruturada na época da escravidão, além de ser ligada aos Reinados dos Congos.

Você pode gostar também
Deixe um comentário

Seu endereço de email não será publicado.

Este website utiliza cookies para tornar sua experiência ainda melhor! Assumimos que você está de acordo, mas você pode não aceitar caso prefira. Aceitar Ler Mais

!-- Global site tag (gtag.js) - Google Analytics -->