Como reduzir o risco de contágio por Covid-19 nas férias e feriados

Com as festas de final de ano e férias chegando, a pandemia que ainda não teve fim requer mais cuidados com a saúde.

- Tempo de leitura: 6 minutos -

Fim de ano chegando, férias de verão se aproximando… e aí, vai viajar? Infelizmente, a pandemia da Covid-19 persiste e, com ela, os riscos de contágio. Felizmente, o turismo foi liberado no país, ainda que com limitações, afinal, a vacina não chegou e o vírus continua circulando. Basta tomar as devidas precauções e se divertir com responsabilidade. Então, como reduzir o risco de contágio por Covid-19 nas férias e feriados

Em várias cidades brasileiras, as comemorações típicas de final de ano foram canceladas. Outras, como o Rio de Janeiro, seguirão com sua tradicional queima de fogos, porém, sem a presença de público. O intuito é evitar aglomerações e, consequentemente, contaminação pelo Coronavírus. Tais medidas seguem recomendações de especialistas para, por exemplo, não reunir tanta gente nos jantares ou reuniões, mesmo que de família. 

Contudo, há também quem diga que a interação social não pode ser dispensada, especialmente perante o agravamento das doenças emocionais pelo isolamento social. A questão é fazer tudo com responsabilidade, pois mais do que ficar longe de quem amamos, dói  mesmo é perder! 

Veja, a seguir, dicas importantes de como reduzir o risco de contágio por Covid-19 nas férias e feriados, seja em casa, seja nas viagens. 

✦ Dicas de como reduzir os riscos de contaminação pelo Coronavírus em reuniões   

» Reduza o número de pessoas 

Quantas pessoas são muita gente em uma reunião de família? Bom, essa resposta pode ser difícil, pois isso é muito relativo. Uma família de dez pessoas com o mesmo nível de exposição pode trazer menos risco que um grupo de cinco que não siga a quarentena ou trabalhe na linha de frente. De modo geral, é interessante avaliar quantos e quais convidados frequentarão sua casa. 

Outro ponto importante é observar as regras e decretos vigentes em cada cidade, pois cada região vem adotando critérios diferenciados para enfrentar a pandemia. 

» Preze pela distância e ambientes abertos

Não importa o que digam os boatos, a melhor maneira de reduzir o risco de transmissão é usar uma máscara, além de manter o distanciamento. Ok, em algumas partes do Brasil, este é um período chuvoso, o que impossibilita ficar do lado de fora. Mas, se for possível, prefira ficar em ambientes abertos e bem ventilados.  

» Estabeleça regras

Em um momento em que o diálogo faz a diferença, por que não expressar aos amigos e familiares seus medos e ansiedade acerca da contaminação? Esclareça a eles sua rotina precedente às comemorações e tente saber o que fazem também. Assim, todas as partes estarão cientes sobre os riscos de frequentar sua casa. Para quebrar um pouco a tensão, vale até promover situações engraçadas, como um concurso de máscaras!

» Tome as precauções necessárias antes da reunião

A janela entre a contaminação, sintomas e tratamento inicial é, geralmente, de duas semanas. Por isso, se pretende reunir a família no Natal ou Réveillon, já é hora de tomar as devidas precauções. Use máscaras quando sair, mantenha o distanciamento social e procure evitar o contato com pessoas que não morem com você. Todos esses cuidados podem reduzir substancialmente os riscos de contágio. 

» Cuidado redobrado com as crianças

Adultos ainda se sentem desconfortáveis com o uso de máscaras, então imagine como se sentem as crianças! Caso vá viajar ou sair com as crianças, treine-as para o uso prolongado do acessório. Ainda, oriente sobre os momentos nos quais podem ou não tirá-lo. E quanto aos bebês, já que não podem usar? O ideal é cobrir a criança durante a viagem ou reunião, especialmente enquanto estiverem se alimentando. 

» Cuide da higiene 

Além do uso da máscara, lave as mãos com frequência e leve sempre consigo um frasco de álcool em gel. Se viajar, luvas e termômetros para acompanhar a temperatura corporal também são itens importantes. 

✦ Dicas de como reduzir os riscos de contaminação pelo Coronavírus em viagens

» Limite o roteiro da viagem

Segundo especialistas, é mais seguro comemorar com membros de sua própria comunidade do que trafegar entre diferentes regiões. A premissa é ainda mais válida se a circulação se der a partir ou para locais com mais incidência de casos.  Portanto, antes de fazer as malas, verifique como está o cenário epidemiológico tanto na sua região quanto onde pretende ir. 

» Viajar de carro ou avião?

Em tempos de pandemia, é mais seguro viajar de carro ou avião? Até então, o meio de transporte mais seguro ainda é o carro. Sem dúvida, é quase impossível manter o distanciamento adequado no espaço do veículo, por isso, é recomendável viajar somente com membros da família. Do contrário, certifique-se de que os passageiros estejam usando máscara e deixe as janelas abertas para evitar a concentração de partículas virais. 

No roteiro, evite paradas desnecessárias. Procure levar lanches para comer no carro e, nas paradas para ida ao banheiro, carregue papel higiênico, sabão líquido, luvas e sacolas plásticas. Só entre em locais limpos e equipados com sabonete e álcool em gel. Na hora de trocar as fraldas do bebê, prefira fazer isso no carro, evitando deitá-lo em ambientes que possam estar contaminados.  

Mas, qual o problema em viajar de avião? O maior risco das viagens aéreas vem dos aeroportos, tendo em vista que pessoas se misturam com outras de todo o país ou do mundo.

Vale lembrar que a maioria das aeronaves está equipada com filtros HEPA (High Efficiency Particulate Air), tornando o ar muito mais limpo durante o vôo. Logo, caso prefira embarcar, opte por rotas diretas ou escalas mais curtas para evitar a permanência em aeroportos. Incentive as crianças a comer e usar o banheiro antes de embarcar, evitando que andem ou removam as máscaras.

Para informações completas sobre os riscos de viagens de avião, não deixe de conferir:

 Os Melhores Aeroportos no Combate e Prevenção à COVID-19!

 Qual o risco de contrair COVID-19 em viagens de avião?

» Faça um teste para ver se está contaminado

Uma semana antes de embarcar, faça um teste para COVID-19 e, em seguida, mantenha-se em quarentena até sair os resultados. E, aqui vai um alerta! Em razão do longo tempo de incubação do vírus, é comum aparecer tanto resultados falso-negativos quanto portadores assintomáticos. Logo, mesmo que o resultado do seu teste seja favorável, ainda não há garantia de que não transmitirá o vírus. 

Portanto, considere fazer mais de um teste em um período de duas semanas. Este é o meio mais seguro de saber se, de fato, não há contaminação. 

» Escolha bem seu meio de hospedagem

O turismo foi um dos setores mais impactados pela pandemia e, para que os meios hoteleiros voltassem a funcionar, precisaram enquadrar-se em uma série de exigências. Ainda assim, é importante avaliar os cuidados que a pousada ou hotel adotou, como limpeza frequente, dispenser de álcool em gel espalhado em corredores, quartos e espaços comuns, além da redução de ocupação. 

Preste atenção às políticas de cancelamento, também. O dinamismo do quadro epidemiológico requer flexibilidade.

Estamos vivendo um período sem precedentes e que requer cuidados constantes, além de flexibilidade. Por isso, tenha em mente que o cenário muda a todo momento e mesmo seus planos podem precisar ser adequados. Por isso, se for preciso alterar ou cancelar sua festa e viagem, faça sem ressentimentos! 

O importante é cuidar e proteger a si mesmo e quem você ama! Tudo isso vai passar e, logo, as dicas de como reduzir o risco de contágio por Covid-19 nas férias e feriados vão valer a pena!

Você pode gostar também
Deixe um comentário

Seu endereço de email não será publicado.