Como é a aposentadoria na China, o país de um filho por família

A crise no sistema previdenciário chinês tem preocupado jovens quanto à aposentadoria, demandando investimento em fundos privados.

- Tempo de leitura: 2 minutos -

Na década de 80, a China deu início à política de um filho único por família, no intuito de frear o crescimento populacional. A lei afrouxou e, a partir de 2015, cada família pode ter duas crianças. Ainda assim, a taxa de natalidade no país segue baixa, causando uma nova crise – a do envelhecimento. Tal cenário influencia, diretamente, em como funciona a aposentadoria na China, tendo em vista os altos investimentos previdenciários. 

Se você quer prosperar, deve controlar a população”. Esse era o slogan do governo chinês em defesa da política do filho único que, inclusive, deu o que falar nos anos 80. As medidas um tanto ortodoxas para respeitar a lei chegavam a assustar! Recém-nascidos eram encaminhados para a adoção, crianças mantidas na clandestinidade, mulheres esterilizadas e multas altíssimas aplicadas a quem desrespeitasse a política. 

O fato é que a China controlou a natalidade, mas viu sua população envelhecer de forma acelerada. Em 2015, as famílias foram liberadas a ter dois filhos o que, na realidade, não surtiu tanto efeito. O número de bebês nascidos, em 2018, foi o menor desde 1961. A escassez de mão de obra é crescente e, segundo a Comissão Nacional de Saúde da China, o país deve chegar a 487 milhões de idosos em 2050, o equivalente a 34,9% da população.

O temor dos mais jovens é que o país não tenha fundos suficientes para o pagamento de aposentadorias. Relatório da Academia Chinesa de Ciências Sociais (CASS) alertou que a reserva acumulada no fundo de pensão para trabalhadores urbanos atingiria 6,99 trilhões de yuans (US$ 1 bilhão) ) em 2027. Montante que cairia a zero até 2035. E aí, como fica a aposentadoria na China?

Como é a aposentadoria na China?

Independente da crise, é interessante entender como funciona, hoje, a aposentadoria no país. O Sistema de Seguridade Social da China consiste em cinco esquemas de seguro obrigatório (fundo de pensão, seguro médico, seguro de lesões industriais, seguro-desemprego e seguro de maternidade), além de um fundo de habitação (aplicável apenas a funcionários chineses).

Para cada benefício, as taxas e a base de contribuições dos funcionários e empregadores diferem conforme a jurisdição local e estão sujeitas a alterações e reformas anuais. A contribuição é obrigatória para funcionários chineses, empregadores e estrangeiros empregados na China.

A idade mínima para se aposentar na China é de 55 anos para mulheres e 60 para homens. De acordo com o China Daily, o valor da aposentadoria mínima no país, tanto na modalidade rural quanto urbana, é de 2400 yuans ou R$ 1632 (sujeito a variações cambiais). O novo valor é fruto do reajuste de 5% dado em 2019. Ainda assim, muitos aposentados rurais recebem menos, o que os força a seguir trabalhando mesmo após a aposentadoria.

Você pode gostar também
1 comentário
  1. Rosa Maria Diz

    O salário mínimo da China não é suficiente mas é maior que o do Brasil. O presidente critica a China como país comunista e não vê isso. Diz que há exploração de mão de obra barato. Não sei se na China o povo passa fome como no Brasil.

Deixe um comentário

Seu endereço de email não será publicado.

Este website utiliza cookies para tornar sua experiência ainda melhor! Assumimos que você está de acordo, mas você pode não aceitar caso prefira. Aceitar Ler Mais

!-- Global site tag (gtag.js) - Google Analytics -->