Por que alguns países dirigem à esquerda e outros à direita?

A diferença de direções tem explicação histórica que vem dos tempos medievais.

- Tempo de leitura: 6 minutos -

Você sabe por que alguns países dirigem à direita, enquanto outros dirigem à esquerda? A chamada “mão inglesa” ou “direção inglesa” é válida em 76 países, o equivalente a ⅓ da população. Ainda que não sejam poucos os países a adotar o modelo, “dirigir ao contrário” dá um nó em quem aluga veículos durante a viagem. Saiba, agora, porque alguns países dirigem pelo lado esquerdo da via. 

Primeiro, é interessante destacar que, da parcela de 35% da população que dirige à esquerda, boa parte pertence a antigas colônias britânicas. Mas, antes de achar que se trata de algo imposto, é bom entender que há uma razão histórica para a adoção da mão inglesa. Quer saber qual é?

Por que alguns países dirigem à esquerda?

Todo mundo sabe que a Idade Média não foi nada fácil. As sociedades feudais eram consideravelmente violentas, de modo que as pessoas, enquanto viajavam, precisavam ficar sempre alertas. 

Como a maioria das pessoas é destra, os espadachins viajavam do lado esquerdo da estrada, deixando o braço direito mais próximo do provável oponente e, a bainha, mais longe dele. Isso reduzia a chance de a bainha atingir outras pessoas. 

Desenho cavaleiro montado no cavalo - preto e branco
O fato de a maioria dos cavaleiros ser destra, motivou a condução pela esquerda

Em outras palavras, viajar do lado esquerdo da estrada facilitava o contra-ataque. Mais explicações são encontradas no período feudal

Primeiro, um destro tem maior facilidade para montar um cavalo pelo lado esquerdo. Além disso, é mais seguro montar e desmontar na lateral da estrada do que no meio do trânsito. O hábito permaneceu e, hoje a maioria dos países que adotam a mão inglesa são antigas colônias britânicas.

Boatos e mais boatos

Claro que a criatividade humana tratou de explicar, por meio de várias teorias, a adoção da mão inglesa. Uma delas é que, no final dos anos 1700, carregadores da França e Estados Unidos passaram a se sentar à esquerda dos cavalos, liberando a mão direita para chicoteá-los (cruel, né?). Consequentemente, precisavam usar o lado esquerdo da via.  

Ainda na França, antes da Revolução Francesa de 1789, a aristocracia viajava pela esquerda da estrada, forçando o campesinato a seguir no lado direito. Com a tomada da Bastilha e os eventos subsequentes, os aristocratas preferiram se manter discretos e se juntaram aos camponeses. Em 1794, foi editada uma regra que oficializou a manutenção da direita no país, tendência que foi se espalhando pela Europa. 

Só que, neste ponto, vale destacar que o “direitismo” das vias foi adotado por países conquistados pelas tropas napoleônicas. Aquelas que não sucumbiram a ele, como Grã-Bretanha, Império Austro-Húngaro e Portugal, permaneceram “à esquerda”. 

A divisão permaneceria por mais de 100 anos, até depois da Primeira Guerra Mundial, quando várias nações passaram a dirigir a direita, com exceção dos britânicos. 

Com a expansão das viagens e construção de estradas a partir de 1800, todos os países introduziram suas regulamentações de trânsito. Na Grã-Bretanha, a condução à esquerda tornou-se obrigatória em 1835, exemplo seguido pelos países que faziam parte do Império Britânico. 

Índia e as ex-colônias britânicas na África, por exemplo, dirigem pela esquerda até hoje. 

Algumas exceções que merecem destaque

O Egito foi conquistado por Napoleão antes de se tornar uma dependência britânica e, mesmo tendo estado sob domínio do Reino Unido, a condução de veículos é feita do lado direito. O Japão, por sua vez, nunca fez parte do Império Britânico, mas seu tráfego também segue pela esquerda. 

Trânsito no Japão: Carros dirigem à esquerda
Apesar de não ter sido colônia britânica, no Japão dirige-se à esquerda

No caso japonês, a origem do hábito remonta ao período Edo (1603-1868). Entretanto, a regra não escrita foi tornada oficial somente em 1872, ano em que a primeira ferrovia do Japão foi construída com ajuda técnica dos britânicos. Gradualmente, a enorme rede de ferrovias e trilhos passaram a circular do lado esquerdo. 

Ainda assim, levou mais meio século até que, em 1924, a direção do lado esquerdo estivesse claramente inscrita em uma lei. 

Outra exceção é o Suriname, que, juntamente com a Guiana, são os únicos países da América do Sul que dirigem à esquerda. Isso porque o Suriname era uma colônia holandesa, que também adotava esse tipo de direção até a conquista napoleônica.

Seguindo com as referências coloniais, podemos destacar que muitos países que, ainda hoje, seguem dirigindo à esquerda foram dependentes das metrópoles europeias que, aos poucos, abandonaram o hábito. É o caso de Macau, Goa, Moçambique e Timor-Leste.

A adoção da mão direita

A tendência à adoção da mão direita se deu de formas diferentes em cada país. Nos Estados Unidos, há quem diga que abandonar a mão inglesa foi uma forma que os americanos encontraram de afirmar sua independência. 

No Canadá, várias províncias só passaram a dirigir pela esquerda após a Segunda Guerra Mundial, embora as colônias britânicas tenham resistido por mais tempo. 

Na Itália e Espanha, a falta de regulamentação fazia com que os países literalmente se dividissem entre as formas de dirigir. Até que, ao longo da primeira metade do século XX, a direção pela direita foi uniformizada. 

Na Suécia, a mudança de mão foi feita mediante um referendo (democrático, não é mesmo?), até porque as nações fronteiriças (Noruega e Finlândia) dirigiam pela direita. O mesmo exemplo foi seguido pela Islândia

Com a expansão do poderio norte-americano, os carros exportados tinham, em seus projetos, a direção pela direita, forçando a mudança das leis de trânsito em vários países

Porém, engana-se quem pensa que todas as antigas colônias britânicas permaneceram dirigindo à esquerda. A Nigéria, por exemplo, tornou-se independente e, em 1972, derrubou de vez a tradição inglesa. Dois anos depois, foi a vez de Gana mudar a direção do trânsito. 

A Inglaterra também já quis dirigir pela direita!

Sim, os britânicos cogitaram a ideia na década de 1960, mas as potências conservadoras do país cortaram a proposta pela raiz. Além disso, a mudança custaria bilhões de libras. Assim, o Reino Unido permanece junto aos outros três países europeus que ainda conduzem à esquerda: Irlanda, Chipre e Malta.

Ah, e na contramão do mundo, em 7 de setembro de 2009, o Estado Independente de Samoa tornou-se o terceiro país a mudar da mão direita para a esquerda. Samoa dirigia pela direita desde que se tornou uma colônia alemã no início do século XX. O primeiro-ministro Tuilaepa Sailele Malielegaoi quis trocar de lado para facilitar e baratear a importação de carros do Japão, Austrália e Nova Zelândia.

Legal saber por que alguns países dirigem à esquerda, não é? Se você quiser saber quais são eles, o site World Standards tem a lista completa! 

Aproveitando sua curiosidade sobre o mundo, confira o que é a Carta Verde e o que fazer em casos de violação, danos ou extravios de bagagem

Você pode gostar também
Deixe um comentário

Seu endereço de email não será publicado.

Este website utiliza cookies para tornar sua experiência ainda melhor! Se você continuar a usar este site, assumiremos que você está de acordo com isso. Aceitar Ler Mais

!-- Global site tag (gtag.js) - Google Analytics -->