Custo de vida em Luxemburgo, um dos países mais ricos da Europa

O PIB desse país entre França e Alemanha ultrapassa 106 mil dólares.

- Tempo de leitura: 5 minutos -

Luxemburgo é um daqueles países que sim, muita gente já ouviu falar e leu sobre, mas raramente entra na lista de destinos europeus. Menos ainda, para pessoas que querem se mudar para o continente. O terceiro país mais rico da Europa esbanja segurança e qualidade de vida. Mas, a que preço? Qual é o custo de vida em Luxemburgo?

O país fica entre a França e a Alemanha, por isso, tem o francês e o alemão como idiomas oficiais, além da própria língua luxemburguesa. Por ser pequeno, dá para explorá-lo em menos de uma semana, conhecendo seus principais pontos turísticos, como o Palácio Grão Ducal, o Castelo de Vianden e a Catedral de Notre-Dame de Luxemburgo.

Dono de belas paisagens medievais, Luxemburgo também tem PIB per capita invejável – US$ 106.705. A saúde é tida como uma das melhores da Europa, transporte público gratuito e educação de qualidade. Tudo isso é suficiente para considerar uma mudança?

Como é morar em Luxemburgo?

As duas maiores cidades do país são Luxemburgo (capital) e Esch Sur Azette. Cerca de 20% da população total de 600 mil habitantes mora na primeira e quase metade é composta por imigrantes. Outra característica importante é que franceses, belgas e alemães trabalham lá e, após o expediente, atravessam a fronteira de volta para seus países.

Mais de 80% da população considera o índice de satisfação em viver no país de médio a alto. Apenas 21,5% da população não tem o ensino médio e mais de 89% classifica os serviços de saúde de razoável a muito bom. Aproximadamente 71% assume se sentir seguro ao sair de casa à noite, enquanto 11,2% já reportou ter sido vítima de algum crime.

O sistema de governo é o parlamentar é considerado confiável por 67% da população. A renda líquida média anual dos habitantes é de 36.354 euros e mais de 76% deles estão satisfeitos com a vida financeira. O que está intrinsecamente ligado à taxa de desemprego.

Considerando a faixa etária de 15 a 64 anos, 67,2% da população é empregada e, em maio de 2021, apenas 6,2% da força ativa estava desempregada.

É caro viver em Luxemburgo?

Depende do ponto de vista. O salário mínimo no país é de € 2.202, o mais alto da União Europeia. Para se ter uma ideia, o salário mínimo português é de € 776. Porém, estima-se que o custo médio de vida para uma pessoa seja de € 2.760, incluindo gastos com moradia, alimentação e outros serviços básicos.

Assim, a estimativa é de que o custo de vida no país seja 78% mais alto do que a maior parte dos países da Europa Ocidental, estando no 5º lugar da lista. Entretanto, o salário médio pago pela maior parte das profissões em Luxemburgo supera o mínimo. Veja os exemplos:

  • assistente administrativo: € 2410
  • profissional de apoio ao cliente: € 2.852
  • enfermeiro: € 4.694
  • engenheiro eletricista: € 5.034
  • professor: € 5.978
  • dentista: € 8.749

Alimentação em Luxemburgo

O preço dos itens alimentícios em Luxemburgo costuma ser 26% mais alto do que a média praticada na União Europeia, enquanto as contas em restaurantes saem cerca de 21% mais caras. Por outro lado, as bebidas são 9% mais baratas.

Em suma, os valores encontrados tanto nos supermercado quanto em refeições são:

  • Batatas (1kg): € 2.14
  • Maçãs (1kg): € 2,98
  • Tomate (1kg): € 3,46
  • Ovos (dúzia): € 4,21
  • Leite (l): € 1,36
  • Peito de frango (500g): € 5,24
  • Vinho tinto (garrafa): € 10
  • Menu do dia em restaurante na área nobre da capital: € 15 por pessoa
  • Combo de fast food: € 10

Em média, a alimentação consome cerca de 13% do orçamento de uma pessoa solteira e 25% da renda de um casal.

Preço da moradia em Luxemburgo

Certamente, a moradia é o item que mais pesa no orçamento mensal. O aluguel é um dos mais altos da União Europeia, em cerca de 55%, acompanhado pelos preços de móveis. Neste caso, custa 21% a mais comprá-los lá, por isso, muita gente opta por dividir apartamento com algum conhecido.

Confira quais os preços médios:

  • Aluguel de um apartamento com 45m²: € 1.123 a € 1.397
  • Aluguel de um apartamento com 85m²: € 1.786 a € 2.241
  • Utilitários (aquecimento, gás, eletricidade): € 173 para uma pessoa e € 201 para duas pessoas
  • Mensalidade da internet: € 39
  • Taxa da faxina: € 17 por hora
  • Microondas: € 166
  • TV de tela plana: € 545

Os custos com moradia equivalem a 55% do orçamento de uma pessoa solteira e 38% dos rendimentos de um casal.

Dá para ter vida social em Luxemburgo?

Sim! O ingresso do cinema por lá custa cerca de € 11,55 e, para malhar, você deve desembolsar aproximadamente € 48 na mensalidade. Se quiser assistir a uma peça de teatro, entretanto, espere investir € 125. Nos bares, os drinks custam, em média, € 22, enquanto aquele cafezinho ou cappuccino com os amigos pode sair a € 3,90.

A cerveja, por outro lado, sai um pouco mais barata – € 3,79 (500ml). Com o maço de cigarros a € 7, dá até para considerar largar o vício de lado, né?

Transporte em Luxemburgo

O cartão de viagens mensais no transporte público, que é eficiente e de qualidade, sai a € 60. Se quiser investir na compra de um veículo, um Golf 1.4 custa € 21.399, em média. O preço da gasolina, por incrível que pareça, é acessível – € 1,18 o litro (tomando por base os preços praticados no Brasil, é claro!).

Saúde e cuidados pessoais

O sistema de saúde luxemburguês é um regime misto entre planos privados e reembolso do governo. O usuário pode recorrer ao hospital ou profissional que desejar, pagando inicialmente pela consulta ou serviço desejado. Posteriormente, o Estado reembolsa de 80% a 100% das despesas.

Para efeitos de cálculo, uma consulta particular custa, em média, € 46. Depois, é preciso arcar com medicamentos, como analgésicos a € 10. Ou antibióticos a € 3,36. Para cuidados diários, espera pagar € 3,44 por um shampoo ou € 2,55 por um pacote com quatro rolos de papel higiênico.

Sim, o custo de vida em Luxemburgo é alto, porém, compatível com a qualidade que o país proporciona, bem como com os salários recebidos. Se ainda assim achou pesado, considere investigar outros países, como a Polônia e a Hungria.

Você pode gostar também
Deixe um comentário

Seu endereço de email não será publicado.