Conheça a Joropo, dança típica da Venezuela por excelência

Produto da mescla cultural herdada dos africanos, europeus e nativos, a joropo chegou à Colômbia e celebra o homem do campo.

- Tempo de leitura: 2 minutos -

Valsa? Flamenco? À primeira vista, a joropo pode parecer uma cópia dos ritmos europeus, mas com um pouco mais de atenção, é possível observar a originalidade do povo venezuelano em forma de movimentos. Nascida na mistura de tradições nativas, africanas e europeias, a joropo, dança típica da Venezuela por excelência atravessou fronteiras, levando para a Colômbia as raízes dos povos pré-colombianos. 

Há quem diga que “joropo” vem de “xarope”, palavra derivada de jarabe, ou “bebida” em árabe. Similar à valsa com alguns elementos do flamenco, a joropo é o principal gênero venezuelano, especialmente quando se fala em música crioula. Muito mais que uma simples cópia de ritmos europeus e africanos, a joropo celebra o homem do campo, suas atividades, formas de galantear e altivez

Graças a Joropo, o mundo conheceu Alma Llanera, considerado o hino da Venezuela. Conheça mais sobre o ritmo que enaltece, de forma festiva, o cotidiano, cultura e tradições do homem da planície. 

História da Joropo

Indícios dão conta de que a Joropo nasceu em uma região de planícies chamada Los Llanos, terreno comum à Venezuela e Colômbia. Seu nome foi dado no século XVIII pelo povo Llanero, se referindo a “uma festa”. A popularidade da Joropo logo a colocou como a dança nacional da Venezuela, conforme oficialmente declarado em 1882. Também composta por alguns traços do fandango, a dança tem variações de acordo com a região. 

Logo, existem três tipos de Joropo, sendo eles o de Llanero (sapateado forte do homem e passos sutis da mulher), tuyero (pausado e, ao mesmo tempo, de ritmo acelerado e comum no centro do país) e Oriental (praticado no leste para celebrar a Cruz de Mayo). No geral, os passos envolvem giros de mão, movimentos dos pés e valsa, com os praticantes dançando firmemente abraçados, indo para trás e para frente. 

Os homens se vestem com um traje chamado liqui liqui, que consiste em jaqueta e calça comprida, além de chapéus de cowboy. As mulheres usam vestidos esvoaçantes e coloridos, bem como sapatos e cabelos trançados. O instrumento musical da Joropo é a harpa acompanhada de cuatro, maracas e bandola, que embalam os sapateados característicos desta dança. 

Alma Llanera

O segundo hino da Venezuela é a canção Alma Llanera, cuja canção pode ser acompanhada abaixo: 

Alma Llanera

Yo nací en esta ribera

Del arauca vibrador.

Soy hermano de la espuma,

De las garzas, de las rosas.

Soy hermano de la espuma,

De las garzas, de las rosas

Y del sol y del sol.

Me arrulló la viva diana

De la brisa en el palmar.

Y por eso tengo el alma,

Como el alma primorosa.

Y por eso tengo el alma,

Como el alma primorosa,

Del cristal, del cristal.

Amo, lloro, canto, sueño,

Con claveles de pasión,

Con claveles de pasión.

Para ornar las rubias crines,

Del potro de mi amador.

Yo nací en esta ribera

Del arauca vibrador.

Soy hermano de la espuma,

De las garzas, de las rosas

Y del sol.

Você pode gostar também
Deixe um comentário

Seu endereço de email não será publicado.

Este website utiliza cookies para tornar sua experiência ainda melhor! Se você continuar a usar este site, assumiremos que você está de acordo com isso. Aceitar Ler Mais

!-- Global site tag (gtag.js) - Google Analytics -->