Conheça nove festas populares do Paraguai que são o espírito do país

Os vizinhos paraguaios têm, na religião, a maior influência de seus festejos, assim como acontece em vários países latinos.

As festas populares do Paraguai, assim como de boa parte dos países latinos, têm fortes ligações com a religião. As tradições religiosas do povo paraguaio são transmitidas de geração em geração e, por isso, continuam vivas ao longo dos anos. Cidades e vilas, através das festas populares, recriam os costumes tradicionais, mantendo sua própria história.

Arte, tradição e fé cristã são as principais características das festas mais emblemáticas do país. Todas são profundamente arraigadas no sentimento popular e merecem ser vividas por visitantes, independente de suas origens e crenças. Há os festivais religiosos, como da Imaculada Conceição, Nossa Senhora da Assunção, Santa Rosa de Lima, Santa Rosa del Monday, assim como a Semana Santa nas cidades de Tañarandy, Piribebuy e San Juan.

Há também festas seculares, como as de Santiago, San Miguel e Virgen del Pilar, que valorizam as competições equestres. Nelas, ao ritmo de bandas folclóricas, os participantes põem à prova as suas capacidades. Embora estas celebrações tenham o denominador comum do sincretismo cultural, há algumas que o manifestam de forma mais acentuada, como a festa de São Pedro e São Paulo que se celebra em Altos.

Conheça as festas populares paraguaias e saiba um pouco mais sobre a cultura do país vizinho. 

Festas populares do Paraguai

1 Nuestra Señora de la Asunción

Nuestra Señora de la Asunción
Festejos de Nuestra Señora de la Asunción

No dia 15 de agosto, Nuestra Señora de la Asunción, a padroeira da capital do Paraguai, recebe a grande homenagem na cidade de Assunção, data que também marca o aniversário de sua fundação. A devoção a Nossa Senhora está associada à própria história do país porque, desde os seus primórdios, foi invocada a sua proteção. Em seu nome, se realizou o grande feito evangelizador e a criação de outras cidades no novo continente. 

Os atos litúrgicos são percorridos com grande solenidade e a participação dos fiéis é organizada por paróquias e comissões.

2 San Antonio de la Pádua

San Antonio de la Pádua
Procissão náutica durante as festas de San Antonio de la Pádua

No dia 13 de junho, a festa mais marcante em homenagem a San Antonio de la Pádua acontece na cidade que leva seu nome, San Antonio. Lá, com muita expectativa, a romaria se instala e o clima de festa invade todos os cantos. Neste dia, o templo é decorado com arranjos feitos com muita criatividade. Os serviços religiosos contam com a participação de um grande número de devotos. 

Após a missa, a imagem do santo é levada para um cais no rio Paraguai, onde é embarcada em um assento de destaque. Aí, começa a procissão náutica seguida pelos devotos embarcados em centenas de canoas, pequenos barcos e lanchas, todos com bandeirinhas e outras decorações coloridas.

3 Natividad de la Virgen Maria

Natividad de la Virgen Maria
Procissão da Natividad de la Virgen Maria

A comunidade de Guarambaré faz parte da rota franciscana patrocinada pela Natividad de la Virgen Maria, que se celebra no dia 8 de setembro. Como em todas as paróquias, a festa começa com as orações e a pregação da novena a que os devotos frequentam, bairro a bairro. Na véspera da grande festa, costuma-se fazer uma serenata para a Padroeira com desfile de grupos musicais e grande público. 

No dia 8 de setembro, acontece a Missa solene e, depois, a procissão. No final, um momento muito esperado é o lançamento do dinheiro que algum rico ou “promesero” arrecada da torre do sino do templo para a multidão. Uma disputa acirrada é registrada para pegar uma nota de valor mais alto.

4 Semana Santa

Semana Santa
Celebração da Sexta-feira Santa em Tañarandy

A capital da República e a maioria das cidades vizinhas preservam inalterada a forma como os dias de Páscoa são vividos. Desde a bênção das palmeiras no Domingo de Ramos ao Domingo de Páscoa, a paixão de Cristo é revivida em todas as paróquias de Assunção. Grupos de músicos e cantores visitam as estações da Via Crucis dos povoados, cantando suas próprias composições ou velhas histórias de paixão. 

Na noite da Quinta-feira Santa, realizam uma cerimônia conhecida como Kurusú Ñuguaitï; na Sexta-feira, o Tupaitü e, no Domingo de Páscoa, o Tupasy Ñuguaitï. A celebração da Sexta-feira Santa em Tañarandy, em Misiones, é um ritual mágico que integra arte, tradição e fé cristã. Anualmente, milhares de visitantes participam da procissão em que os fiéis acompanham a Dolorosa pelo Yvaga Rapé (caminho para o céu).

O caminho é iluminado por milhares de luminárias feitas com casca de laranja, tochas laterais e lâmpadas. Enquanto isso, os papéis de carta cantam seu purahei jahe’o, (canção lamentosa) antiga tradição paraguaia. Após a cerimônia da descida da cruz, inicia-se uma apresentação artística de música, dança e teatro. Uma das atrações mais esperadas são as pinturas vivas por atores locais, que representam obras-primas da arte universal.

5 Kurusú Ara

Kurusú Ara
Família montando altar para o Dia da Cruz

O dia 3 de maio é uma data que, no Paraguai, ganhou o rótulo de tradição. Trata-se do Kurusú Ara ou Dia da Cruz, cuja exaltação remonta ao tempo da evangelização franciscana. O povo transmitiu a devota veneração da Cruz por gerações e acrescentou suas próprias formas de compartilhar sua fé. Muitas famílias preparam nesta data uma espécie de presépio feito de folhas. 

A cruz é colocada no centro. O cenário se completa com uma abundância de fagulhas de vários formatos e rosários feitos de amendoim são pendurados nos galhos como uma oferenda familiar. Depois, são deixados à disposição de quem vem expressar sua devoção por meio de um Ato de fé.

6 San Blas

San Blas
Dia de San Blas

San Blas é o padroeiro do Paraguai. A devoção a ele vem com reflexos da história e ganhou o sentimento dos paraguaios desde os primeiros anos da conquista. Seu dia é 3 de fevereiro e a celebração, além das solenidades de culto, ganhou fronteiras populares. Após a participação na missa solene que se celebra na Catedral de Assunção, no bairro de “Punta Karapã”, realizam-se vários eventos recreativos.

A expressão máxima da festa é a dança dos galopes, elenco composto por pessoas de todas as idades que dançam ao ritmo de uma banda folclórica.

7 San Pedro y San Pablo

San Pedro y San Pablo
Os guaicuru, simulando o sequestro de mulheres durante os festejos de San Pedro y San Pablo

A tradicional festa de San Pedro y San Pablo é uma das mais genuínas manifestações da cultura popular, celebrada nos dias 28 e 29 de junho, em Itaguazú, nos Altos. Durante os dois dias, a população participa de missas, procissões com imagens sacras e atividades tradicionais como ring and rider. Mas, o mais peculiar do festival são as ruas de San Pedro e San Pablo, que consistem em jogos e desafios com tochas acesas de kapi’i (palha). 

Em seguida, aparecem os guaicurú. São figuras cobertas com folhas secas de bananeira e máscaras de pano ou madeira, que simulam o sequestro de mulheres no meio da multidão. Trata-se da reencenação dos ataques indígenas contra as populações crioulas nos tempos da Conquista. A eles se juntam os kamba ra’anga (imagem em preto) mascarados que pretendem lutar contra o guaicurú, protagonizando representações cômicas.

8 Virgen de Caacupé

Virgen de Caacupé
Fiéis reunidos para a novena da Virgen de Caacupé

Caacupé é conhecida como “a capital espiritual do Paraguai”. Lá, todo dia 8 de dezembro, em torno da Imaculada Conceição de Maria, a Virgen de Caacupé reúne peregrinos que vêm de todo o país e cidades vizinhas no exterior. Nos últimos anos, a presença de peregrinos devotos foi estimada em mais de um milhão. O santuário fica cheio desde o início da novena e muitos peregrinos chegam em carros de boi, respeitando a tradição.

Há também quem chegue a pé, percorrendo grandes distâncias, pois se comprometeram a agradecer uma graça recebida ou a pedir um favor. Nos dias de celebração, as missas e homilias dos bispos são seguidas por milhares de assistentes e, no dia da Virgem, a presença dos fiéis nos serviços que se celebram desde a madrugada transborda todos os locais imagináveis. Caacupé ganha uma aparência bem peculiar neste feriado. 

Além disso, ninguém volta para casa sem ter se refrescado ou recolhido água do poço da Virgem (Tupasy Ycuá), de onde flui o líquido vital que, para os crentes, tem poderes milagrosos. Também, é uma prática tradicional dos Caacupeños colocar um jarro de água na frente de suas casas para matar a sede dos peregrinos.

9 Virgen de la Candelaria

Virgen de la Candelaria
Virgen de la Candelaria

A Festa de la Virgen de la Candelaria, em Areguá, é comemorada no dia 2 de fevereiro. A cidades é uma das que tem Candelária como protetora. As celebrações litúrgicas tem máxima solenidade. No dia da Virgen, há a missa, benção das velas e uma procissão com a imagem da padroeira que segue pelas principais ruas, sempre acompanhada por uma multidão de fiéis. 

Mas, o início da novena se dá a partir do dia 23 de janeiro e, desde então, são realizados eventos culturais, com a participação de artistas locais e autarquias vizinhas do Departamento Central. A programação inclui números musicais, dança e exposições de produtos característicos de cada comunidade. Nelas, brilham artesanatos em barro, tecidos, pedaços de madeira, cestaria e outros.

Vale destacar que Areguá preserva vestígios das missões franciscanas que moldaram sua religiosidade e promoveram habilidades artesanais que sobreviveram ao longo do tempo. A mesma celebração acontece em Capiatá. Lá, os devotos vão ao templo com suas velas que são, então, abençoadas e mantidas pelas famílias ao longo do ano. Elas são acesas em calamidades naturais ou orações para restaurar a saúde de um membro da casa. 

Durante as celebrações, realizam-se várias atividades seculares e litúrgicas, sendo o serviço religioso o ato central daqueles dias, mobilizando todas as comunidades do distrito.

Você pode gostar também

Deixe um comentário

Seu endereço de email não será publicado.