Conheça oito doces típicos do Maranhão e suas histórias!

Da cocada ao mingau de tapioca, saiba quais são as estrelas da doçaria maranhense e saia da dieta com muito prazer.

Nordeste é sinônimo de cultura, história, gente batalhadora e festiva. O berço do Brasil reúne tradições seculares que persistem e se apresentam sob diversas formas, entre elas, a gastronomia. Os nove estados que compõem a região brindam o país com pratos típicos que esbanjam cores e sabores! Entre eles, está o Maranhão, seus Lençóis, ruas de casas azulejadas e capital que ama reggae. E, você conhece quais são os doces típicos do Maranhão e suas principais características?

O estado possui o segundo maior litoral do país, além de culinária influenciada pelos escravos africanos, colonizadores holandeses, franceses e portugueses. A experiência gastronômica no estado é igualmente rica em bares de praia, lanchonetes simples e restaurantes sofisticados. 

Doces típicos do Maranhão

1 Cocada

Cocada
Cocada

Não tem festa de São João no Maranhão sem os tabuleiros de cocada! O doce tradicional tem, claro, sabor de coco, mas a criatividade do maranhense fez nascer variações tão deliciosas quanto! Por isso, vale a pena esquecer a dieta por uns dias e se esbaldar cocadas de maracujá e abacaxi, por exemplo! Ah, e nas barracas das festas juninas dá para encontrar cocadas de vários tamanhos!

2 Mingau de tapioca

Mingau de tapioca
Mingau de tapioca

O mingau de tapioca é um prato doce extremamente apreciado pelos maranhenses, e não é para menos! Leve e saboroso, tem preparo simples à base de leite condensado, coco e canela. Servido quente, é figurinha fácil nas festas de São João, quando é armazenado em panelas de alumínio enormes para, depois, ser distribuído em copos descartáveis.

3 Juçara

Juçara
Polpa de juçara com granola

As estradas estão cheias de quiosques ostentando placas que anunciam a venda de juçara. E o que seria isso? A parente próxima do açaí tem sabor suave e menos calorias, embora as formas de servir sejam as mesmas. No caso de quem procura doce, o ideal é experimentar a juçara acompanhada de granola e banana.

4 Doce de espécie

Doce de espécie
Doce de espécie (créditos: Qualaviagem.com.br)

Delicioso e versátil, o doce de espécie mata a fome e serve de sobremesa! O doce é particularmente característico da cidade de Alcântara e uma herança dos açores portugueses. 

Bem parecido com aqueles biscoitinhos de vó, tem massa parecida com o bombocado feita à base de farinha de trigo e manteiga. No recheio, cocada mole. Os doces de espécie acompanham o cafezinho da tarde e caem muito bem se servidos com geleias e compotas de frutas típicas do estado. Procure por aquelas feitas de jenipapo, buriti, caju, bacuri, jaca, murici e cupuaçu.

5 Bolo de arroz

Bolo de arroz
Bolo de arroz

Bolo de arroz ou orelha de macaco? Estes são os nomes pelos quais você pode encontrar bolinhos doces feitos com o grão de arroz cru. A massa é frita no típico óleo de babaçu que, inclusive, é mais saudável.

6 Beiju de tapioca

Beiju de tapioca
Beiju de tapioca

A tapioca é o amido extraído da mandioca (aipim, macaxeira) e a farinha mais fina é usada no preparo do beiju. A receita típica maranhense é bem molhada e ganha vários recheios, sendo o feito com leite de coco e coco ralado fresco o mais tradicional. A massa do beiju de tapioca é servida enrolada e cai muito bem com café. O doce é facilmente encontrado em hotéis, lanchonetes e barraquinhas.

7 Quebra-queixo

Quebra-queixo
Quebra-queixo

O quebra queixo é um doce típico do Maranhão também conhecido como deres-só. O nome vem dos pregoeiros que vendiam o doce de porta em porta. Para isso, anunciavam “Quebra-queixo! É só um dez rés só!”. É feito de manteiga, coco ralado e mel.

8 Pé de moleque maranhense

Pé de moleque maranhense
Pé de moleque

O pé de moleque surgiu no século XVI, quando a cana de açúcar chegou à Capitania de São Vicente pelo navegador Martin Afonso de Sousa. A primeira explicação para o nome é a similaridade do doce com a cor e calos dos pés das crianças que corriam pela estradas de terra batida. A segunda versão vem do clamor das doceiras que, quando tinham seus doces “surrupiados” pelas crianças, gritavam “pede, moleque!”. 

O pé de moleque maranhense é feito com farinha de mandioca granulada, leite de coco, manteiga, açúcar, coco fresco ralado, além de açúcar e canela em pó para polvilhar.

Você pode gostar também

Deixe um comentário

Seu endereço de email não será publicado.

Especial: Viagem com segurança durante a pandemia