11 Danças típicas e folguedos de Minas Gerais

Partes importantes do folclore mineiro, as danças e folguedos têm forte influência colonial.

- Tempo de leitura: 5 minutos -

Ah, Minas Gerais, quem te conhece não esquece jamais! Como bem diz o verso popular, o estado que acompanhou séculos de história do Brasil respira cultura e tradição. O folclore mineiro é expresso sob a forma de lendas, crenças, provérbios, canções e costumes. Por isso, são ricamente representados pelas várias danças típicas e folguedos tradicionais de Minas Gerais.

As manifestações folclóricas de Minas, assim como na maior parte dos estados brasileiros, têm raízes na cultura herdada dos colonizadores portugueses, índios e negros africanos. As fortes influências se mostram nos usos, costumes e tradições, além do artesanato, culinária, literatura, música, medicina popular e até mesmo na forma de falar. Sem falar nos mitos, como a noiva de Belo Horizonte e Juiz de Fora. 

A Estrada Real, que liga Diamantina a Paraty, no Rio de Janeiro, protagoniza uma boa parte da mitologia mineira, além dos próprios costumes espalhados pelos tropeiros, especialmente a culinária. 

Muito dessa história vem representada nas danças típicas e folguedos tradicionais de Minas Gerais que você vai conhecer agora.

Danças e folguedos típicos de Minas Gerais

Em Minas Gerais, o que se destaca são as danças folclóricas, como samba de roda, catira, ciranda, maracatu, maculelê, quadrilha de festa junina, bumba meu boi, baião, xaxado, frevo, carimbó, entre outras. Veja um pouco sobre as principais delas, além das mais tradicionais ocorrências de folguedos: 

1 Quadrilha

Apresentada nas festas juninas, a quadrilha tem origem nas danças country inglesas dos tempos medievais que, posteriormente, foram adotadas na França sob o nome de contredance

2 Catira

De origem diversa, com traços europeus, indígenas e africanos, a catira é geralmente dançada apenas por homens posicionados em duas fileiras, que alternam o sapateado e pulos com palmas no ritmo da música. 

A dança é acompanhada pelo rasqueado da viola caipira. Atualmente nota-se a presença de mulheres em algumas das manifestações da catira.

3 Congado

O Congado tem a sua origem com a lenda do Chico-Rei, ainda que não haja registros oficiais de sua existência.

Acredita-se que Chico tenha sido rei de uma tribo no Congo e trazido para o Brasil para ser escravizado com mais 400 negros. Vendido e trabalhando como escravo, acabou conquistando sua alforria e comprando uma mina chamada Encardideira. Com isso, comprou também a alforria de seus compatriotas. 

Por sua história, foi considerado rei pelos outros escravos. 

Nascido dos ritos que chegaram ao Brasil pelos africanos e se fundiram aos católicos, o congado reúne os grupos de Caboclos, Vilão, Moçambique, Catopés, Congo, Marujada e Candombe. 

Os ritos originais eram protagonizados pelos negros escravizados que expressavam sua fé e sentimentos através deles. Porém, foi imposta a fé católica, fazendo surgir outras histórias ligadas a santos, como Nossa Senhora da Mercê e do Rosário. 

4 Maneiro o Pau

A curiosa dança, também chamada de mineiro-pau, é popular na região da Zona da Mata. Nela, pessoas de diversas idades, cada uma com um bastão, batem com os instrumentos de forma ritmada, executando de duas a três batidas. 

5 Folia de Reis ou Reisado

Folguedo que acontece entre 24 de dezembro e 6 de janeiro, a Folia de Reis é dedicada aos Santos Reis, ou Reis Magos. 

Cada lugar tem sua própria maneira de formar a folia, mas sempre mantendo elementos em comum, como o mestre, responsável pela cantoria e coordenação geral do grupo. O contramestre o auxilia, arrecadando donativos e o substituindo caso seja necessário. 

Outras figuras complementam a Folia de Reis, como instrumentistas, cantadores, os próprios reis e o embaixador. É ele quem pede licença aos donos das casas, pronuncia as profecias e recorda as palavras ditas pelos profetas sobre o nascimento de Jesus Cristo. 

A festa foi tombada como Patrimônio Imaterial de Minas Gerais, em 2017. Por encerrar no dia 6 de janeiro, representa a visita dos reis magos a Jesus e finaliza os festejos natalinos. 

6 Caxambu

O caxambu é mais uma manifestação de origem africana que teve início nas fazendas de café. Chamado de jongo em outros estados, consiste na percussão de instrumentos e danças sensuais executadas por homens e mulheres. 

7 Pastorinhas 

Outra representação comum no Natal é o das pastorinhas, na qual meninas tipicamente trajadas de aventais e lenços na cabeça visitam as casas, entoando louvores e pedindo contribuições para crianças pobres.  

8 Dança de São Gonçalo

Na homenagem ao santo, mulheres vestidas de branco conduzem um arco de madeira enfeitado com papel de seda na cor do vestido. Em algumas regiões, um homem representando São Gonçalo participa da dança. 

9 Boi de Reis 

O boi de reis, às vezes, participa do Reisado e consiste na captura, morte e ressurreição do boi. De origem portuguesa, recebe outros nomes conforme a região, como Boi de Janeiro e Bumba meu Boi. 

10 Mulinha de Ouro

Manifestação típica do Vale do Médio São Francisco, a mulinha de ouro é similar à dança dos bois e traz a mula dançando coreografias no meio do povo.   

11 Cavalhada

Mais uma herança dos tempos medievais, desta vez, da Cavalaria, as Cavalhadas representam as lutas entre mouros e cristãos na Península Ibérica. 

Os grupos, representando os dois lados antagônicos, se vestem em azul e vermelho. A encenação é realizada ao ar livre, mobilizando reis, rainhas, princesas, príncipes, capitães, tenentes e outras figuras importantes, todos portando ricos trajes e instrumentos. 

Danças típicas conforme a região do estado

É interessante destacar que um estado tão grande tem também extensa diversidade cultural. Cada região tem suas próprias danças que, resumidamente, listamos abaixo: 

  • Vale do São Francisco: Batuque, Lundu, Coco, Roda de Adulto, Dança de São Gonçalo e Dança do Carneiro.
  • Triângulo e Oeste Mineiro: Catira, Quadrilha, Fandango, Recortado, Maculelê, Dança do Pau de Fitas e a Dança de São Gonçalo.
  • Café Sul: Dança do Pau de Fitas, Contra-Dança, Dança de São Gonçalo e a Catira.
  • Nordeste Mineiro: Batuque, Dança do Pau de Fitas, Dança do Nove, Mangangá, Vai de Roda, Tambozeiros, Coco Desafio e São Gonçalo.
  • Zona da Mata: Caxambu, Mineiro-pau ou Bate-pau, Calango, Batuque, Cana Verde, Quadrilha, São Gonçalo, Siriri Gambé e Engenho Novo.
  • Mineração: Samba, Baião de Quatro, Ciranda de Adulto, Manguara, Arrasta Pé, Contra Dança, Quadrilha, Dança do Pau de Fitas, Dança da Enxada e Corta Machado.
  • Urbano Industrial: Gafieira, Samba, Batuque e Quadrilha

Minas Gerais é realmente lindo, não é mesmo? Viaje pelo Brasil através do nosso site e descubra, além das danças e folguedos tradicionais do estado, um pouco mais sobre a cultura do país!

Você pode gostar também
Deixe um comentário

Seu endereço de email não será publicado.