Cidade Proibida da China – fatos e curiosidades

Construído há cerca de 600 anos, o palácio abrigou 24 imperadores de duas importantes dinastias e, hoje, está aberto à visitação.

- Tempo de leitura: 6 minutos -

A China, como bem se sabe, é um país de contrastes e dono de uma história milenar. Muitos de seus inúmeros templos encontram-se bem preservados e estão entre os monumentos mais visitados do mundo. Quer um exemplo clássico? A Grande Muralha da China, vista até mesmo do espaço. Outro exemplar simbólico é a Cidade Proibida da China, cujos principais fatos e curiosidades saberemos agora. 

A Cidade Proibida, na China: Pátio da Cidade Proibida
Pátio da Cidade Proibida

A Cidade Proibida da China foi o palácio imperial, lar de 24 imperadores e coração político durante as dinastias Ming e Qing (1368 – 1911). Agora, também conhecido como Museu do Palácio, é uma das principais atrações do país. Situado no coração da capital, Pequim, é o maior e mais bem preservado complexo de palácio imperial do mundo. Tanto que foi inscrito como patrimônio cultural mundial pela UNESCO em 1987.  

E, por que a Cidade Proibida tem esse nome? Bom, no passado, os plebeus eram proibidos de entrar no local sem permissão. Além disso, apenas famílias imperiais e altos funcionários convidados podiam entrar ali. Saiba mais fatos e curiosidades sobre a Cidade Proibida da China

Sobre a Cidade Proibida da China

A Cidade Proibida da China foi construída em 1406 e concluída em 1420, tendo então cerca de 600 anos. Ao subir ao trono em 1402, o imperador Chengzu, da Dinastia Ming (1368 – 1644), pretendia mover a capital de Nanjing para Pequim. Assim, ordenou a construção de um espaço que serviu como palácio para os imperadores e suas famílias viverem, além de ser o centro político da China durante as dinastias Ming e Qing. 

A obra envolveu 230.000 artesãos e milhões de trabalhadores. Quatorze imperadores da Dinastia Ming no Palácio da Pureza Celestial (Qianqinggong), assim como dois imperadores da Dinastia Qing (1644 – 1911) viveram no Salão do Cultivo Mental (Yangxindian). Hoje, o monumento é aberto para visitação pública, sendo extremamente popular entre os turistas chineses e estrangeiros.

O museu do palácio recebe 14 milhões de visitantes anualmente, mais do que qualquer seção da Grande Muralha. Existe quase um milhão de artigos expostos na Cidade Proibida, incluindo:

  • cerca de 350.000 cerâmicas; 
  • 150.000 peças de jade, cloisonné, vidro, artigos de papelaria, esculturas e artigos de laca; 
  • 130.000 bordados; 
  • quase 100.000 peças de joalheria, acessórios, armas marciais, instrumentos musicais, relógios e aparelhos de uso diário; 
  • 100.000 pinturas e obras de caligrafia; 
  • cerca de 60.000 inscrições; 
  • 30.000 artigos de metal; 
  • cerca de 20.000 esculturas.   

A Cidade Proibida ocupa 720.000 m², mais de três vezes maior do que o Palácio do Louvre na França. Para uma comparação de tamanho, o Vaticano mede 440.000 metros quadrados e o Kremlin mede 275.000 metros quadrados. Possui mais de 90 quarteirões e pátios palacianos e 980 edifícios. 

A Cidade Proibida, na China: Pátio
A Cidade Proibida ocupa uma área de 720.000 m², equivalente a 72 hectares

O que fazer na Cidade Proibida?

É impossível não se encantar pelos magníficos palácios com esplêndidos salões, grandes torres, pavilhões e mirantes. O design perfeito dos edifícios antigos impressionam, além da decoração requintada dos telhados, beirais, paredes, grades, pilares e móveis! Também existem inúmeras relíquias culturais preciosas em exposição. Em suma, as principais atrações da Cidade Proibida são: 

» Pátio Externo: Salão da Suprema Harmonia; Salão da Harmonia Central; Salão da Preservação da Harmonia; Meridian Gate

» Pátio interno: Palácio da Pureza Celestial; Salão da União Celestial e Terrestre; Palácio da Tranquilidade Terrestre

Além da magnitude do complexo, os detalhes da arquitetura também são surpreendentes. Cada detalhe reflete características da arquitetura tradicional chinesa e da rica cultura chinesa.

Quando visitar a Cidade Proibida da China?

A melhor época é do final de março ao início de junho e do final de agosto ao final de novembro. Evite as férias de verão em julho e agosto, bem como os feriados da China, quando haverá um mar de gente. Se estiver com a agenda apertada, faça o roteiro da entrada sul até a saída norte, ao longo do eixo central. Com mais tempo, visite também os palácios e salões das Asas Leste e da Asa Oeste.

O palácio fica aberto nos fins de semana e feriados, incluindo o Ano Novo Chinês. O horário de funcionamento é das 8h30 às 17h (abril a outubro) e das 8h30 às 16h30 (novembro a março). Só está fechado às segundas-feiras, exceto feriados. A fotografia é permitida para uso privado ao ar livre em toda a Cidade Proibida, exceto em locais ou áreas sinalizadas. Tripés e flash são proibidos em salas de exposições especiais e permanentes.

Onde fica a Cidade Proibida da China? 

O palácio está situado ao norte da Praça Tiananmen, no centro de Pequim. A única entrada é pelo Meridian Gate (South Gate) e pode-se chegar até lá facilmente, tanto de metrô quanto de ônibus. A partir da Praça Tiananmen, ou Praça da Paz Celestial, dá para caminhar até lá em alguns minutos. Ao passar pela famosa torre com o retrato de Mao Tse Tung, já é possível ver o Meridian Gate.

Curiosidades sobre a Cidade Proibida da China

  • A Cidade Proibida tem 753 metros de leste a oeste e se estende por 961 metros de norte a sul, cobrindo uma área de cerca de 72 hectares (178 acres). 
  • A lenda popular diz que existem 9.999,5 quartos na Cidade Proibida,  0,5 a menos do que os quartos do Palácio do Imperador de Jade no céu. Entretanto, uma contagem realizada em 1972 indicou 8.707 e, anos mais tarde, outro relatório dá conta que existam, na verdade, 9.371 quartos.
  • A Cidade Proibida é a maior coleção do mundo de estruturas medievais de madeira bem preservadas.
  • Com exceção do Portão Donghua, todos os portões da Cidade Proibida são decorados com uma série de pregos dourados. O número nove implica supremacia e eternidade na cultura chinesa.
  • Fileiras de estátuas de animais auspiciosas, como dragões, fênix e leões, foram colocadas ao longo das cristas dos telhados dos corredores importantes para invocar a prosperidade e a boa fortuna.

    Detalhe dos animais em cima dos telhados na Cidade Proibida
    Detalhe dos animais em cima dos telhados na Cidade Proibida
  • A Cidade Proibida é composta por um Pátio Externo cerimonial e um Pátio Interno residencial. Você pode encontrar muitas árvores no Pátio Interno, mas nenhuma árvore no Pátio Externo.
  • Não há uma conclusão universal sobre não haver árvores no Pátio Externo. No entanto, existem duas teorias principais. Na primeira delas, como o Pátio Externo era o local onde as cerimônias públicas solenes eram realizadas, o “poder supremo divino” e a dignidade imperial dos imperadores eram exibidos, nenhuma árvore era permitida, pois ofuscaria ou perturbaria a majestade da atmosfera. Outra teoria dá conta de que a falta de vegetação não permitiria que assassinos se escondessem e as linhas de visão ficariam desobstruídas para fins defensivos.
  • Em 1933, alguns tesouros nacionais na Cidade Proibida foram evacuados para preservá-los da ameaça de invasão japonesa. Após o fim da Segunda Guerra Mundial, parte da coleção foi devolvida, mas uma parcela segue abrigada no Museu do Palácio Nacional em Taipei.
  • Apenas 60% da área é totalmente aberta ao público. Uma reforma geral da Cidade Proibida está em andamento e, com ela, espera-se que mais de 80% do palácio seja aberto aos visitantes.

A Cidade Proibida da China abriga a maior coleção de artefatos históricos chineses do mundo, abrangendo milhares de anos de história chinesa. Por isso, é considerado um dos melhores museus do mundo.

Você pode gostar também
1 comentário
  1. Luzia Jacinta Diz

    Imagens emocionantes. Parece que estou perto desses monumentos. São maravilhosos. Um desejo ainda de visitá-los.

Deixe um comentário

Seu endereço de email não será publicado.