Cães farejadores de Covid-19 já estão fiscalizando o aeroporto de Miami!

Cães conseguem farejar o vírus da covid-19 no suor, respiração e cheiro dos seres humanos.

- Tempo de leitura: 1 minuto -

Os funcionários do Aeroporto Internacional de Miami estão passando por uma verificação de segurança diferente. Cães farejadores treinados para detectar a presença do coronavírus estão verificando todo o local. 

Os caninos fazem parte de um programa piloto no Miami International, um dos aeroportos mais movimentados dos EUA. O local é o primeiro a empregar cães na batalha contra o coronavírus.

Os dois cães passarão seus turnos farejando os funcionários que passam por um posto de controle para detectar a presença do vírus no suor, respiração e cheiros devido às alterações metabólicas que o vírus causa no corpo humano. Se um cachorro sinalizar o odor do vírus em uma pessoa, esse indivíduo será solicitado a fazer um teste rápido de coronavírus, disse o aeroporto.

Os cães podem detectar o novo coronavírus?

“O grande ‘aha’ para mim não foi apenas os cães serem treinados para esse trabalho, mas também o fato de serem muito precisos”, disse Kenneth G. Furton, reitor e professor de química e bioquímica da Florida International University.

A precisão dos caninos rivaliza com os testes tradicionais de coronavírus e até mesmo com alguns equipamentos de laboratório, disse Furton. Ele citou um estudo duplo-cego publicado pela FIU, que descobriu que os animais alcançaram taxas de precisão de 96 a 99 por cento para detectar o vírus.

A taxa de precisão dos cães chegou a impressionantes 99,4%.

Furton e seus colegas começaram suas pesquisas com os cães logo após o início da pandemia no ano passado. Embora Miami seja o primeiro aeroporto americano a usar cães para detectar o vírus, países como os Emirados Árabes Unidos e a Finlândia começaram a testar a ideia no verão passado.

Com 50 vezes mais receptores de odores do que os humanos, os cães há muito são usados ​​para farejar não apenas drogas e explosivos, mas também condições médicas como a doença de Parkinson, alterações no nível de açúcar no sangue em pessoas com diabetes e certos tipos de câncer.

Você pode gostar também
Deixe um comentário

Seu endereço de email não será publicado.

Este website utiliza cookies para tornar sua experiência ainda melhor! Se você continuar a usar este site, assumiremos que você está de acordo com isso. Aceitar Ler Mais

!-- Global site tag (gtag.js) - Google Analytics -->