Ação do MPT quer obrigar Uber, 99, Rappi e similares a reconhecerem vínculo trabalhista – Entenda implicações!

A análise do órgão detectou que realmente existe vínculo empregatício entre essas plataformas e os motoristas.

- Tempo de leitura: 2 minutos -

O Ministério Público do Trabalho (MPT) entrou com uma ação contra aplicativos de viagens e de entrega de produtos e alimentos. O documento foi ajuizado no dia 8 de novembro e quer obrigar essas empresas a reconhecerem todos os vínculos trabalhistas de quem trabalha nestas plataformas.

De acordo com as informações do MPT, esses trabalhadores têm direitos trabalhistas e de segurança social que não estão sendo cumpridos. O órgão também quer que essas empresas ofereçam melhores condições de trabalho e auxílio em questões relacionadas à saúde dos colaboradores.

Ao todo, existem mais de 600 inquéritos civis (IC) pedindo o reconhecimento das relações de trabalhos entre motoristas e plataformas digitais. Apenas no Ministério do Trabalho existem oito ações civis públicas (ACP) em andamento. 

De acordo com o procurador-geral do Trabalho, José Lima, muitas plataformas estão gerando uma precarização das relações de trabalho

“Essa adaptação, no entanto, não pode significar precarização do direito do trabalhador. É preciso que o Estado elabore regras específicas para esse tipo de trabalho e que os direitos garantidos na Constituição de 1988 cheguem aos trabalhadores”, disse Lima em nota para a imprensa. 

O responsável da Conafret, Tadeu Henrique Lopes da Cunha, disse que muitas empresas se baseiam em decisões judiciais favoráveis a elas para manter esse tipo de relacionamento com seus colaboradores.

“As empresas enaltecem a existência de decisões judiciais de não reconhecimento do vínculo de emprego, mencionando, inclusive, que muitas decisões judiciais lhes seriam favoráveis. Ocorre que o posicionamento jurisprudencial citado pelas empresas não é casual ou resultado da ausência de compreensão da Justiça sobre a metodologia de trabalho em questão”, enfatizou Cunha na nota para imprensa.

O Ministério Público do Trabalho pediu na ação o devido registro de todas as relações de trabalho. Em caso de negativa, a multa pode chegar a R$ 10 mil por motorista que trabalha de forma irregular. Além disso, o órgão pede indenização retroativa, que seria depositada no Fundo de Amparo ao Trabalhador (FAT).

O Sindicato dos Mensageiros Motociclistas, Ciclistas e Mototaxista Intermunicipal do Estado de São Paulo concorda com a ação do MPT. “O controle da jornada de trabalho é fundamental. Se o motoboy ficar 20 horas na rua, irá morrer, pois o trânsito é o nosso meio ambiente de trabalho”.

Você pode gostar também
Deixe um comentário

Seu endereço de email não será publicado.

Este website utiliza cookies para tornar sua experiência ainda melhor! Assumimos que você está de acordo, mas você pode não aceitar caso prefira. Aceitar Ler Mais

!-- Global site tag (gtag.js) - Google Analytics -->