A apaixonante Ponte dos Cadeados em Paris – história e curiosidades

Saiba mais sobre como surgiu a popular atração turística da Cidade Luz e a magia de registrar seu amor por lá.

- Tempo de leitura: 5 minutos -

Que casal apaixonado nunca sonhou em deixar seu amor registrado na famosa Ponte dos Cadeados, em Paris? Uma das atrações turísticas mais populares da Cidade Luz tem milhares de nomes ou iniciais inscritos em um cadeado preso à na ponte. A chave, em seguida, é jogada no rio Sena como sinal de amor eterno. De acordo com a tradição, a única maneira de acabar com o laço é encontrar a chave e destrancar o cadeado. 

Tradições assustadoras à parte, o fato é que a Pont des Arts, nome real da Ponte dos Cadeados, é um passeio quase obrigatório para quem visita a capital francesa. Atravessando o também simbólico Rio Sena, em pleno centro de Paris, o ícone do amor eterno foi a primeira ponte metálica construída na cidade. Assim, liga o Quai de Conti, do Institut de France, ao Quai des Tuileries, onde fica o Museu do Louvre.

Ponte dos Cadeados (Pont des Arts), em Paris, sem cadeados
A Ponte dos Cadeados (Pont des Arts) atualmente já não tem mais cadeados

A fama internacional da ponte trouxe consigo milhares de cadeados e, claro, suas consequências. O peso dos itens metálicos chegou a pesar a estrutura, obrigando, em consequência, a retirá-los. 

Mas, de onde surgiu a tradição de pendurar cadeados na ponte? Para onde os cadeados retirados foram? Conheça a história e curiosidades sobre a Ponte dos Cadeados. Com certeza, irá se apaixonar também!

A história da Ponte dos Cadeados de Paris

Antes de falarmos sobre a Pont des Arts, é interessante dar uma pincelada na história da cidade, explicando porque há tantas pontes em Paris. Aliás, nem sempre foi assim!

Apenas em 864 d.C. a aprovação do Édito de Pistres determinou a construção de pontes sobre o Rio Sena em resposta ao saque pelos vikings em 845 d.C. A estratégia se mostrou eficaz durante o Cerco de Paris, pois os navios inimigos não conseguiam passar além das pontes.

Hoje, há 37 pontes cruzando o rio Sena, mas apenas cinco são pedonais, isto é, permitem a passagem de pedestres. O fato é que as pontes icônicas são verdadeiros símbolos de Paris. Mesmo porque visitar pontes, não apenas museus, é uma maneira bastante alternativa de sentir parte da estrutura de uma cidade. Bem, falando em pontes pedonais, a nossa Ponte dos Cadeados é uma delas! 

Ponte Alexandre III, uma das 37 pontes que cruzam o Rio Sena
Ponte Alexandre III, uma das 37 pontes que cruzam o Rio Sena

Estrutura da Ponte

A tradição de prender cadeados à ponte é recente, tendo início por volta de 2008, mas a história da Pont des Arts é bem mais antiga. A estrutura foi inaugurada em 1804, ainda no reinado de Napoleão. 

Elegante e leve, representava a vanguarda da engenharia da época, feita de ferro fundido. O projeto foi inspirado na primeira ponte de ferro fundido do mundo, construída sobre o rio Severn, na Inglaterra. 

A ideia era uma ponte semelhante a um jardim suspenso sobre o Sena, adornada com flores e mobiliada com bancos nos quais os pedestres pudessem descansar. 

Assim como vários monumentos europeus, a ponte original sofreu dois bombardeios aéreos durante a Primeira e a Segunda Guerra Mundial, além de numerosas colisões com barcos. Como resultado, a ponte foi considerada perigosa para circulação. 

Uma análise de sua estrutura feita em 1976 identificou várias falhas, fazendo com que a ponte fosse fechada para pedestres no ano seguinte. Até que, inevitavelmente, perdeu 60 metros de sua extensão em 1979, depois de uma forte colisão por um navio. 

A ponte foi desmontada e metade dela foi transferida para o subúrbio de Nogent-sur-Marne. Lá permaneceu armazenada por uma década, até ser reconstruída sobre o rio Marne.

A nova Pont des Arts foi construída entre 1981 e 1984, no lugar da sua primeira estrutura, mas desta vez em aço, parecida com a original, mas com o número de arcos reduzido de nove para sete para se alinhar com a vizinha Pont Neuf. 

História da Ponte dos Cadeados, em Paris: Nova Pont des Arts
A nova Pont des Arts, construída no mesmo local daquela inaugurada em 1804, sobre o Rio Sena

Em 1984, a Pont des Arts foi inaugurada, conectando o Institut de France com o Museu do Louvre. Atualmente, é um Patrimônio Mundial da UNESCO, juntamente com o próprio Rio Sena. 

A tradição da Ponte dos Cadeados

A tradição de colocar cadeados em pontes tem origem na Hungria e foi alegremente adotada na Pont des Arts. Casais apaixonados começaram a prender cadeados com seus nomes gravados antes de jogar a chave no rio, simbolizando amor eterno. 

Apesar de encantadora, a ideia fez com que o peso acumulado do metal danificasse a ponte. Assim, em 2015, as autoridades decidiram remover todos os cadeados da ponte. Estima-se que haviam mais de 1 milhão de cadeados na Pont des Arts, que pesavam, juntas, cerca de 45 toneladas!!

Retirada dos cadeados da Ponte dos Cadeados de Paris
Em 2015 todos os cadeados foram retirados, e passou a ser proibido prendê-los no local

No entanto, felizmente os encontros românticos seguem acontecendo na Pont des Arts, bem como na vizinha Pont de l’Archevêché. Até porque não só de cadeados vive a ponte! 

O local também é ponto popular para piqueniques e estúdios de arte ao ar livre. Ademais, sua posição estratégica ao longo do Rio Sena e do Louvre a tornam o cenário perfeito para fotógrafos amadores e profissionais.

Ponte dos Cadeados de Paris (Pont des Arts): antes e depois
Ponte dos Cadeados de Paris: antes e depois

Curiosidades sobre a Ponte dos Cadeados de Paris

  • A tradição de prender cadeados à ponte começou por volta de 2008.
  • Existem duas pontes em Paris conhecidas para este fim, mas há uma diferença simbólica entre elas. A Pont des Arts é para “amor comprometido”, enquanto a Pont de l’Archeveche, construída em 1828, é dedicada aos “amantes”.
  • Depois da retirada dos cadeados em 2015, não é mais permitido deixar as travas na ponte

Você conhece a Ponte dos Cadeados em Paris? Ou, ainda, alguma das icônicas pontes da cidade? Com certeza, deve ter se apaixonado pela encantadora e iluminada Cidade Luz!

Você pode gostar também
Deixe um comentário

Seu endereço de email não será publicado.